Você sabe o que é hanseníase? UnB

Você sabe o que é hanseníase? UnB

Com o aumento de casos de hanseníase no país, janeiro se tornou o mês da conscientização sobre sintomas, prevenção e tratamento da doença que é causada pela exposição prolongada à bactéria Mycobacterium leprae ou bacilo de Hansen. Quase eliminada no início dos anos 2000, mais de 150 mil brasileiros foram diagnosticados com a doença entre os anos de 2016 e 2020, segundo dados do último boletim epidemiológico sobre o tema publicado em janeiro pelo Ministério da Saúde.

Atrás apenas da Índia em registro de novos casos, a hanseníase segue sendo tratada como problema de saúde pública no Brasil. A doença acomete pele e nervos periféricos e pode deixar sequelas e deformidades no corpo quando não tratada. Os sintomas incluem manchas claras ou vermelhas na pele com diminuição da sensibilidade.

“Costumamos dizer coloquialmente que hanseníase é uma doença que não arde, não coça e não dói. Por esse motivo, é absolutamente imperativo que a rede de serviços de saúde esteja permanentemente capacitada a reconhecer os primeiros sinais e sintomas da doença para instituir o tratamento precoce, objetivando a cura do paciente”, destaca o pesquisador Gerson Penna, do Programa de Pós Graduação em Medicina Tropical da UnB (PPGMT) da Universidade de Brasília.

Gerson Penna está entre os dez cientistas no mundo que mais contribuíram na última década com estudos para o enfrentamento de doenças tropicais transmissíveis negligenciadas, caso da hanseníase.

“O diagnóstico da hanseníase é feito com exame dermatoneurológico em que se avalia, com testes de sensibilidade, as lesões cutâneas e/ou de nervos periféricos. Por esse motivo é importante os profissionais de saúde estarem atentos e treinados”, diz Gerson.

O contágio ocorre pelas vias respiratórias e a prevenção passa por medidas básicas de higiene, como lavar as mãos, e pela vacina BCG contra tuberculose nas pessoas que estiveram em contato próximo com o portador da doença. Atualmente, o tratamento é realizado pelo SUS, sem necessidade de internação, com uso de medicamentos combinados durante 6 a 12 meses, e iniciada a medicação, a cadeia de transmissão é quebrada. 

COMBATE À DOENÇA – Além de manter ambulatório de referência para atender pacientes de hanseníase e integrar a Rede Universitária de Combate à Hanseníase (Rede Hans), a UnB coordenou ensaio clínico, o maior já realizado até hoje, que mostrou ser possível combater o problema com um único regime de tratamento de curta duração, o U-MDT. Esse esquema terapêutico se baseia num regime único de tratamento para todos os pacientes independentemente da classificação clínica, e é composto por doses mensais e diárias de medicamentos administrados durante seis meses. O estudo envolveu cientistas de vários países e durou 15 anos. Os resultados foram publicados em 17 artigos e renomados periódicos científicos.ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.

Fonte: https://noticias.unb.br

Más artículos de la Universidad

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Suscríbete al Grupo Tordesillas​

Introduce tu email y recibirás las novedades del Grupo Tordesillas mensualmente en tu correo electrónico.

Scroll al inicio