Bioconstrução em Sete Lagoas – UFSJ

bioconstrucao-sete-lagoas-ufsj

Curso promovido por projetos da UFSJ tem como público-alvo comunidade acadêmica, agricultores e entidades parceiras.

A bioconstrução reúne formas de construir que utilizam materiais ecológicos e locais, promovendo mínimo impacto ao meio ambiente e integração com o espaço que habita. Muitas vezes, as técnicas podem ser aprendidas tanto por profissionais ligados à construção quanto por pessoas que não são da área. Nesta sexta, 21, interessados na prática da bioconstrução participarão, gratuitamente, de curso em Sete Lagoas.

Pela manhã, o curso de Bioconstrução acontece na Associação dos Empregados da EMBRAPA/Milho e Sorgo. À tarde, é a vez do bosque agroecológico da UFSJ. O curso será ministrado pelo grupo de extensão Arquitetura Saberes da Terra, sob a coordenação do professor Mateus Martins do Departamento de Arquitetura, Urbanismo e Artes Aplicadas (DAUAP-UFSJ) de São João del-Rei. A organização é do projeto CVT-Guayi, Grupo Guayi de Agroecologia, com o apoio da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (Proex/UFSJ) e do projeto de pesquisa da Embrapa.

A ideia é termos um curso com enfoque em construções sustentáveis, tais como a utilização de barro. Este curso será voltado para os agricultores, estudantes, docentes e pesquisadores do grupo Guayi de agroecologia, toda a comunidade acadêmica da UFSJ e as entidades parceiras”, conta a professora e organizadora Leila Ferraz. A organização espera, ainda, que o curso seja uma oportunidade de troca de experiências entre projetos de extensão da UFSJ – nesse caso, entre o Grupo Guayi de Agroecologia, em Sete Lagoas, e do grupo de Arquitetura Saberes da Terra, de São João del-Rei.

O Grupo Guayi

O Grupo Guayi de Agroecologia se originou do projeto CVT-MG/Guayi, e seu nome significa, em tupi-guarani, “semente boa”. O grupo busca a participação direta da sociedade para ganhos na qualificação de agricultores e técnicos comprometidos com sua filosofia, que dá suporte à agricultura familiar e comunitária, potencializando o desenvolvimento da agroecologia, por meio da formação de profissionais engajados na cultura de uma agricultura sustentável, ecologicamente correta, base para uma economia de caráter solidário.

O CVT-MG/Guayi é financiado atualmente pelo CNPq e tem como gestora a UFSJ, com apoio dos ministérios de Desenvolvimento Agrário, Agricultura e Abastecimento, da Educação e da Ciência, Tecnologia e Inovação. Este projeto tem como instituições colaboradoras a Embrapa Milho e Sorgo, Epamig/Prudente de Morais, Emater-MG e a Fundação Zoobotânica, de Belo Horizonte. A equipe é formada por cerca de 20 pesquisadores e docentes, que coordenam bolsistas do CNPq.

Fonte: http://www.ufsj.edu.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima